ACERVO MEMORIAL DIGITAL
ANTÔNIO HOUAISS

 

ah

 

Bem-vindo ao portal do Acervo Memorial.

Consta da abertura do projeto com links de acesso, destaques e vídeos.

O segundo acesso, consta do material relacionado a Vida Cultural de Antônio Houaiss: Filologia, Literatura e Cultura:

https://culturaahblog2018gmail.wordpress.com/2017/09/11/primeiro-post-do-blog/

Breve Biografia de Antônio na Academia Brasileira de Letras, Teses e Dissertações sobre a Tradução de Ulisses de James Joyce, Artigos sobre as Traduções de Ulisses de James Joyce, Apresentação dos Tradutores para língua portuguesa de Ulisses  de James Joyce, Teses e Dissertações sobre o Dicionário Antônio Houaiss, Artigos sobre a Comissão Machado de Assis e a Participação de Antônio Houaiss e Textos sobre a atuação de Antônio Houaiss como membro da Academia Brasileira de Letras (1971 até a sua morte em 1999). Foi presidente da Academia Brasileira de Letras de 1995-1996.

 O terceiro acesso, Diplomacia, Política e Sociedade.

https://diplomaciaepolitica.wordpress.com/2017/09/12/diplomacia-e-politica/

 Breve Biografia de Antônio no Ministério de Relações Exteriores, acesso a processo de cassação, documentações que fazem parte do Maço diplomático (disponível no blog matriz, fotos, artigos de amigos próximos sobre a sua carreira diplomática, homenagem de seu médico em discurso na Academia Brasileira de Letras, imagem de documentos do Dops, artigos sobre diplomacia. Um pequeno histórico sobre Ruanda no início dos anos de 1960, tabela cronológica das atividades diplomáticas de Antônio Houaiss e imagens que registram a sua vida social, correspondência aos seus amigos próximos e duas correspondências de conteúdo diplomático, constando de seleções de material, que estão no blog matriz em sua totalidade.

O quarto acesso COMENTÁRIOS E COLABORAÇÕES. Destina-se a colaborações, comentários e perguntas, buscando atender a demanda do usuário.

https://acervocloboraecomentahouaiss.wordpress.com/2018/05/13/comentarios-e-colaboracoes/

Toda colaboração deve ser enviada para o depositotabletgsar@gmail.com para ser postado. Está dividida em campos temáticos. Traduções de Ulysses de James Joyce, Machado de Assis e o estabelecimento do seu texto submetidas as regras criadas por Antônio Houaiss e por último Diplomacia e Cultura.

 O quinto acesso consta do MATRIZ ou BANCO DE DADOS DO ACERVO MEMORIAL DIGITAL ANTÔNIO HOUAISS, tem a função de ser o Banco de Dados que concentra o que foi localizado e digitalizado, e informações adicionais como referências e localizações de fontes.

https://ahmemo.wordpress.com/memorial-digital-antonio-houaiss/

DESTAQUES:

2018

“No dia 14 de agosto de 1978, Antônio Houaiss falou ao O POVO sobre política e literatura. A entrevista foi feita pela jornalista Graça Magalhães”

OITD_19780814aa18_Entrevista_AntonioHouaiss.jpg

2017

– Tradução de James Joyce

Trechos e traduções

 Antônio Houaiss

“Sobranceiro, fornido, Buck Mulligan vinha do alto da escada, com um vaso de barbear, sobre o qual se cruzavam um espelho e uma navalha. Seu roupão amarelo, desatado, se enfunava por trás à doce brisa da manhã. Elevou o vaso e entoou:

– Introibo ad altare Dei.

Parando, perscrutou a escura escada espiral e chamou asperamente:

– Suba, Kinch. Suba, jesuíta execrável.

Prosseguiu solenemente e galgou a plataforma de tiro. Encarando-os, abençoou grave três vezes a torre, o campo circunjacente e as montanhas no despertar.”

Bernadina da Silveira PinheiroO

“Majestoso, o gorducho Buck Mulligan apareceu no topo da escada, trazendo na mão uma tigela com espuma sobre a qual repousavam, cruzados, um espelho e uma navalha de barba. Um penhoar amarelo, desamarrado, flutuando suavemente atrás dele no ar fresco da manhã. Ele ergueu a tigela e entoou:

– Introibo ad altare Dei.

Parado, ele perscrutou a escada sombria de caracol e gritou asperamente:

– Suba, Kinch! Suba, seu temível jesuíta!

Solenemente ele avançou para a plataforma de tiro. Olhou à volta e seriamente abençoou três vezes a torre, o terreno à volta e as montanhas que despertavam.”

Caetano W. Galindo

“Solene, o roliço Buck Mulligan surgiu no alto da escada, portando uma vasilha de espuma em que cruzados repousavam espelho e navalha. Um roupão amarelo, com cíngulo solto, era delicadamente sustentado atrás dele pelo doce ar da manhã. Elevou a vasilha e entoou:

– Introibo ad altare Dei.

Detido, examinou o escuro recurvo da escada e invocou ríspido:

– Sobe, Kinch. Sobe, seu jesuíta medonho.

Altivo, ele se adiantou e subiu na plataforma de tiro redonda. Olhou à volta e abençoou sério e por três vezes a torre, o campo em torno e as montanhas que acordavam.”

– Comissão Machado de Assis

A Comissão teve como missão a preservação da memória da literatura buscando oferecer a público um estabelecimento do texto de qualidade que buscasse ao máximo manter a sua originalidade. Presidida por Elmano Cardin – presidente da ABL e contou com um grupo de importantes intelectuais como; Austregésilo de Ataíde, José Renato Santos Pereira Antônio Candido de Melo Souza, Antônio Houaiss, Antônio José Chediak, Augusto Meyer, Aurélio Buarque de Holanda Ferreira Barreto Filho, Brito Broca, Celso Ferreira da Cunha, Ciro dos Anjos, Eugênio Gomes, J. Galante de Sousa, José Simão Leal, Lúcia Miguel Pereira, Marco Aurélio de Moura Matos, Mário Gonçalves de Matos, Peregrino Junior.

Coube a Antônio Houaiss, importante técnico e conhecedor da língua a tarefa de criar as regras para a Comissão Machado de Assis que representou à preservação da memória da literaturaclássicabrasileira.

 – Diplomacia e Política

Abandonastes o Magistério para ingressar no Corpo Diplomático, em cujas funções tive oportunidade de conhecer-vos e de chefiar-vos, durante a minha missão nas Nações Unidas. Meu depoimento sobre vossa atuação é simplesmente o de que nunca encontrei, no exercício das funções, colaborador mais competente, mais devotado e mais dedicado aos interesses do Brasil e do nosso povo. Ali, também, vossos informes e relatórios eram lições.

Vossa folha de serviços e vossos trabalhos encontram-se nos arquivos do Itamaraty para comprovarem o que venho de afirmar.

A súbita aposentadoria no Serviço Público restituiu-vos à exclusiva atividade intelectual da vossa juventude, e foi um bem para a Cultura brasileira. E provável que, dedicado ao serviço público como éreis, só muito mais tarde vos sobrasse tempo para os esforços absorventes a que hoje vos entregais. E não sei se, entre uma carreira e um destino, não ganhastes, e, convosco, o Brasil.

Sois, essencialmente, o homem do livro. Talvez não exista, na atual geração, ninguém mais ligado a ele do que vós, porque viveis para o livro, tanto na sua forma, como no seu conteúdo. A forma perfeita do livro não se limita ao primor da edição, ao material escolhido, ao gosto apurado da composição gráfica e iconográfica. A forma do livro diz respeito, também, à ordenação técnica do texto. Sobre todos estes complexos provimentos de Ciência Editorial é que escrevestes o vosso temível Elementos de Bibliologia, em dois volumes, apurado ensaio científico sobre a Ecdótica. Para os que, ignorantes como eu, se espantarem com esta enigmática palavra, ajuntarei que Ecdótica quer dizer a Ciência e Arte de Editar. Ainda na mesma linha de realizações, fizestes a consolidação das 14 mil instruções de serviço do Ministério das Relações Exteriores, ajustando-as no Manual que ainda hoje prevalece, e fostes orientador da publicação dos 83 volumes de documentos da presidência Juscelino Kubitschek.

AFONSO ARINOS DE MELO FRANCO

Antonio Houaiss (15 de outubro de 1915 – 7 de março de 1999) foi um intelectual brasileiro, era o quinto de sete filhos de um casal de imigrantes libaneses, Habib Assad Houaiss e Malvina Farjalla, radicados no Rio de Janeiro. Com dezesseis anos, começou a lecionar português. Foi professor, filólogo, diplomata de carreira, acadêmico, ecdota, lexicógrafo, tradutor, orador, conferencista, crítico literário, ensaísta, político, teórico do socialismo, ministro de Estado, foi presidente da Academia Brasileira de Letras, Ministro da Cultura e membro da Academia das Ciências de Lisboa. Autor de livros, organizou e elaborou duas enciclopédias. Publicou dois dicionários bilíngues inglês-português, organizou o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, traduziu o romance Ulisses de James Joyce. Antonio Houaiss ingressou no Ministério das Relações Exteriores em 1945, enquanto Conselheiro – Ministro de 2a. Classe foi cassado pelo Regime Militar em 1964.

013rj012036-jpg

AUGUSTO MALTA. COPACABANA, C. 1910. RIO DE JANEIRO, RJ / ACERVO INSTITUO MOREIRA SALES

 

 

COORDENAÇÃO DO PROJETO:
PROFESSOR DR. ANDRÉ RANGEL RIOS – INSTITUTO DE MEDICINA SOCIAL – UERJ
PESQUISA: MSC GUSTAVO SABOIA DE ANDRADE REIS

http://site.ims.uerj.br/

barra

Anúncios